Características do som: frequência, amplitude e timbre

Diário de bordo de Oficina Multimédia_B

Introdução ao som

O som é entendido como uma sensação auditiva, a qual é produzida por ondas sonoras. Estas ondas são geradas por “objectos” em vibração (ex. cordas vocais, instrumentos musicais, colunas de som) que provocam o movimento periódico ou oscilação das moléculas do meio envolvente (meios materiais – sólidos, líquidos ou gasosos). Estas moléculas, por sua vez, transmitem o seu movimento às moléculas “vizinhas” por meio de colisões entre partículas, levando a que a oscilação inicialmente produzida no “objecto” se propague através do espaço aberto, até chegar aos nossos ouvidos.

O ouvido humano é capaz de distinguir o som através de um complicado mecanismo de transformação das ondas sonoras em impulsos nervosos, os quais são transmitidos ao cérebro. Porém, nem todos os sons são percebidos da mesma maneira devido às diferenças físicas entre as ondas sonoras em frequência, amplitude e timbre.

Frequência

A frequência é a característica através da…

View original post 381 more words

Advertisements

Nebula

I of XI

Tout est là, après la pluie

Chuva

Tout le chant de l’éternité véritable

Voz

Comment s’appelle la femme qui voit tout dans ses rêves et qui parle avec vous comme avec votre conscience

Comment m’appelle-je, tous les noms déjà

Comme tout continue c’est merveilleux d’écouter votre parole

Votre goût d’aller n’importe où,

remplir

e dire que vous êtes ici pour tout comprendre et tout connaître.

Combien de façons vais je te montrer et que vais je construire pour

Je connais tout le langage ainsi que toutes les formes d’émotion.

Pour nous, la vérité é tranbordante

le plaisir de la lumière qui révèle plus que l’image

qui nous fait découvrir la relation entre toutes les choses

et jouer avec les chemins de notre espace interdit comme une vraie architecture physique

où je me reconnais

et me reconstruis

toujours au lieu de la fragilité

et pour toucher l’amour qu’on peut

découvrir ce paysage

aussi riche pour toute la vie et qui est l’histoire de ma maison

Pour la sensation de perfection de l’harmonie entre les plans et les couleurs,

on doit chercher la conception de la complicité

Au temps des mensonges,

on répond avec la poésie du mouvement

La chorégraphie de la vie après la guerre

et la guerre qu’on doit éviter dans tous les cas, celle contre nous-mêmes

Poemas de José Craveirinha

in CONTI outra

Um homem nunca chora

Acreditava naquela história
do homem que nunca chora.

Eu julgava-me um homem.

Na adolescência
meus filmes de aventuras
punham-me muito longe de ser cobarde
na arrogante criancice do herói de ferro.

Agora tremo.
E agora choro.

Como um homem treme.
Como chora um homem!

Pena

Zangado
acreditas no insulto
e chamas-me negro.

Mas não me chames negro.

Assim não te odeio.
Porque se me chamas negro
encolho os meus elásticos ombros
e com pena de ti sorrio.

Nem desconfia

Todo o poeta quando preso
é um refugiado livre no universo
de cada coração
na rua.

O chefe da polícia
de defesa da segurança do estado
sabe como se prende um suspeito
mas quanto ao resto
não sabe nada.

E nem desconfia.

Guerra

Aos que ficam
resta o recurso
de se vestirem de luto
…………………………………
Ah, cidades!
Favos de pedra
macios amortecedores de bombas.

Grito Negro

Eu sou carvão!
E tu arrancas-me brutalmente do chão
e fazes-me tua mina, patrão.

Eu sou carvão!
E tu acendes-me, patrão,
para te servir eternamente como força motriz
mas eternamente não, patrão.

Eu sou carvão
e tenho que arder sim;
queimar tudo com a força da minha combustão.

Eu sou carvão;
tenho que arder na exploração
arder até às cinzas da maldição
arder vivo como alcatrão, meu irmão,
até não ser mais a tua mina, patrão.

Eu sou carvão.
Tenho que arder
Queimar tudo com o fogo da minha combustão.
Sim!
Eu sou o teu carvão, patrão.

José João Craveirinha (Lourenço Marques, 28 de Maio de 1922 — Maputo, 6 de Fevereiro de 2003) é considerado o poeta maior de Moçambique. Em 1991, tornou-se o primeiro autor africano galardoado com o Prémio Camões, o mais importante prémio literário da língua portuguesa.